Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Extensão
Início do conteúdo da página

Extensão

Publicado: Segunda, 30 de Julho de 2018, 00h24 | Última atualização em Segunda, 30 de Janeiro de 2023, 17h06 | Acessos: 4132

 

 

 

 

Projetos de Extensão

- Conscientização e Educação Ambiental para Conservação das espécies de Répteis (Coordenadora:)

Coordenadora: Prof. Dra. Leandra Cardoso Pinheiro

Tipo: PROJETO

Mais informações no link:

https://drive.google.com/file/d/1_YHFx7zHXXLTVN2liA2cS_wUpCfz4yQz/viewusp=sharing

- Educação Ambiental Transformadora

Coordenador: Prof. Dra. Cinthya Cristina Bulhões Arruda

Tipo: PROJETO

Mais informações no link

https://drive.google.com/file/d/17thCp3uYc3peNSrwBZErRaYCHGRb8yq/view?usp=shring

 

- Orquídeas Nativas do Marajó: Uma Viagem Musical.

A iniciativa é um projeto de Extensão desenvolvido pelo Laboratório de Biologia, Conservação e Uso de Plantas da UFPA, Campus de Soure sob coordenação da Profª Dra. Cinthya Arruda.

Objetivo:

Este projeto tem como principal objetivo a divulgação de conhecimento científico básico sobre orquídeas para fins de conservação das espécies e da natureza como um todo, afinal, precisamos Conhecer para Conservar, né? E neste projeto pude contar com a enriquecedora parceria da artista Camila Honda e diversos outros artistas que participaram com suas especialidades técnicas e sensibilidade.

Produtos: mini documentário Orquídeas Nativas de Soure, que você pode assistir no link abaixo ou na Bio.

Recurso:

Este projeto foi financiado por emenda parlamentar do Deputado Edmilson Rodrigues através da FADESP.

Com alegria e muito amor pela Biologia da Conservação, convidamos a todes a conhecer um pouco sobre essas espécies e os jardins suspensos onde elas habitam.

https://www.youtube.com/watch?v=QjDL2Ob7e-w

 

 

E quando visitar Soure, já sabe: olhe para cima!

Siga no instagran:

https://www.instagram.com/p/CTNbKw4phk6/?utm_medium=share_sheet

- Mulheres que Plantam: comida, geração de renda e agroecologia para mitigação dos efeitos das mudanças climáticas.

coordenador: Cinthya Cristina Bulhões Arruda

tipo: Programa

Bolsas: 2

 

Desde os primórdios da humanidade a espécie humana utiliza as mãos como ferramentas de transformação da paisagem. Inclusive as mãos, como as humanas, nos diferenciam dos demais primatas, dentre outras características, pois apresentam a capacidade de segurar objetos de maneira mais precisa e segura, o que confere uma destreza excepcional para segurar e manipular ferramentas. há cerca de mais de 10.000 anos, a espécie humana com toda esta manualidade, deixou de ser nômade e seminômade e passou a ser sedentária e com o uso das mãos começou a domesticar plantas e animais, dando início assim à agricultura que até os dias de hoje ainda é praticada da maneira convencional e limitada à alguns atores da sociedade, apenas. sendo assim, com o propósito de estimular o protagonismo feminino em comunidades extrativistas em vulnerabilidade econômica, especialmente mulheres donas de casa e oferecer meios de obtenção de renda através do resgate das manualidades ancestrais e também com o propósito de registrar todo este patrimônio biocultural e imaterial para fins de conservação desta riqueza e de fortalecimento da cultura e do modo de vida dessas comunidades, este programa traz a proposta de reduzir as desigualdades sociais e promover geração de renda com desenvolvimento sustentável, bem como de gerar subsídios teóricos e práticos relacionados a modelos de produção agroecológicos, na tentativa de criar uma cadeia produtiva saudável e justa e de subsidiar a criação de políticas públicas prioritárias ao desenvolvimento regional, como a produção e comercialização dos produtos da agricultura familiar com base em sistemas agroecológicos.

 

- Os Sons de Marajó: o canto das espécies como conscientização ambiental

Coordenador: Youszef Oliveira DA Cunha Bitar

Tipo: PROJETO

Bolsas: 2

 

Este programa está dividido em dois focos de atuação, relacionados à detecção e reconhecimento da biodiversidade local, e à difusão de boas práticas ambientais pela comunidade. São eles: (i) registro, reconhecimento e gravação das vocalizações de diferentes espécies presentes na região; e (ii) ações de conscientização e educação ambiental para a conservação das espécies de aves e anfíbios no município de soure, Pará. A primeira parte objetiva identificar quais espécies de anfíbios e aves estão presentes na região urbana e rural do município de soure, e posteriormente registro da vocalização dessas espécies para capacitar o público-alvo para o reconhecimento das diferentes espécies. A compreensão de que as espécies de anfíbios e répteis produzem sons associados a diferentes formas de relação social (alerta, reprodução, agonia, etc...), e que cada espécie possui um som próprio, pode ajudar na conscientização ambiental, criando empatia com a diversidade faunística e engajando o público na preservação da biodiversidade regional. a segunda etapa busca desenvolver ações educativas com crianças do ensino fundamental e médio, em escolas do município de Soure e Salvaterra do arquipélago do Marajó, proporcionando o envolvimento dos participantes em temáticas relacionadas a conservação de aves e anfíbios. Além de desenvolver capacidades e competências nesse grupo selecionado para que eles possam se tornar multiplicadores em questões que afetam a conservação da biodiversidade. A prática Extensionista vai ao encontro com o objetivo principal para o curso de licenciatura em ciências biológicas, que visa formar professores de biologia/ciências críticos; competentes nos aspectos teórico-metodológicos relacionados aos conteúdos biológicos e pedagógicos inerentes a sua formação.

- Coleção Itinerante de Zoologia: da universidade para o ensino básico

Coordenadora: Prof. Dr. Marina Barreira Mendonça

tipo: projeto

bolsas: 2

 

As coleções científicas e didáticas são de extrema importância para o ensino e formação de uma sociedade bem instruída, capaz de formular hipóteses e ter embasamentos críticos para refutá-las. Este projeto destina-se a montar uma coleção zoológica itinerante para que alunos do ensino básico fundamental e médio tenham acesso a materiais que contextualizem os conteúdos e contribuam para o processo de ensino-aprendizagem bem como promover o contato dos alunos com a importância das coleções científicas. Assim, levaremos o conhecimento da universidade para o ensino básico de quatro municípios localizados na ilha do Marajó, PA, a saber: breves, cachoeira do Arari, Salvaterra e Soure. Moldes específicos para o ensino de zoologia serão elaborados junto aos participantes do projeto, que serão levados às escolas e a eventos como feiras de ciências. Também serão ofertadas aos professores do ensino básico oficinas de como montar os moldes e jogos didáticos, bem como um protocolo que do que é necessário para o ensino de zoologia nos ensinos fundamental e médio. A elaboração do material didático será realizada no primeiro ano de projeto e as visitações ocorrerão ao longo do ano de 2024, em quatro escolas de cada município.

 

- “Pisei na tua areia, Ilha de Marajó”: Cantos e Encantos do Carimbó Tambores do Pacoval para a Educação.

Coordenação: Prof. Dr. Nivaldo Aureliano Léo Neto

Edital IV Prêmio PROEX de Arte e Cultura

 

Com o título de Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil, em setembro de 2014 o Carimbó foi inscrito no Livro de Registro das Formas de Expressão pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Memória e Patrimônio fundamentam as expressões das culturas populares no território brasileiro e possuem vínculos profundos com os diferentes processos educativos (escolarizados ou não). O Carimbó, enquanto Forma de Expressão da Cultura Popular, é marcado por conhecimentos ecológicos tradicionais que dizem respeito à vida das pessoas. O Arquipélago do Marajó é conhecido como um dos lugares onde “nasceu” o Carimbó e no município de Soure, encontramos importantes Mestres e Mestras dessa cultura. Este projeto parte do Carimbó do grupo Tambores do Pacoval e o legado do Mestre Dikinho para o desenvolvimento de ações educativas (formação inicial docente) que visam a salvaguarda do patrimônio imaterial, tendo como culminância a produção de uma cartilha educativa na perspectiva da contextualização de conteúdos curriculares de Ciências Biológicas para o território marajoara. Pretende-se com isto fomentar a formação inicial de professores e professoras de Ciências Biológicas (licenciandos/as da UFPA, campus Marajó-Soure) sensíveis à diversidade cultural. Para o alcance dos objetivos e metas, as atividades consistirão em “aulas-espetáculos” com integrantes do grupo Tambores do Pacoval, entrevistas e a sistematização de informações (textos, fotografias, desenhos, poesias) para a editoração gráfica de material educativo voltado à educação básica das escolas do município de Soure.

- Mbarayo: encontro de saberes

coordenador: nivaldo aureliano léo neto

tipo: programa

bolsas: 2

 

Mbarayo, a “barreira do mar”, é um dos nomes dados ao atual marajó, arquipélago que se encontra na foz dos rios amazonas e Pará com o oceano atlântico. A partir da poética dos “encontros das águas”, este programa de extensão propõe o encontro e diálogo entre os distintos saberes e fazeres, tanto aqueles produzidos a partir dos sistemas acadêmico-científicos quanto os de tradição oral-ancestral. Reconhecendo a transversalidade de temas como memórias, patrimônios, identidades e culturas, parte-se da premissa de que os processos educativos contextualizados aos territórios (nos quais as referências culturais são mediadoras da aprendizagem) suscitam uma prática de educação antirracista e intercultural. Formar professores/as sensíveis à diversidade étnico-racial e ao patrimônio cultural local se coaduna com o plano nacional de educação em direitos humanos e às diretrizes curriculares para a educação das relações étnico-raciais. Neste sentido, o programa “encontro de saberes” propõe múltiplos espaços de formação (cursos, rodas de conversa, lives, saraus) e a sistematização de materiais educativos que valorizem os/as mestres e mestras da cultura tradicional como protagonistas nos processos de transmissão e salvaguarda dos seus conhecimentos. A iniciativa se articula a projetos de pesquisa e extensão de pesquisadores/as da UFPA e de outras instituições, colaborando para a formação de uma rede colaborativa que fortaleça o campo da pesquisa educacional sobre culturas, educação, patrimônio, identidades e currículos. Esperamos com isto gerar informações que subsidiem a reelaboração de currículos (da educação básica e superior) referenciados nas culturas locais, desenvolvimento de metodologias inovadoras de ensino e estratégias de advocacy para a cultura e educação.

 

 

- Prosa & Psique na terra dos Nheengaíbas

coordenador: ludmilla cunha ventura de souza

tipo: programa

bolsas: 2

 

Prosa & Psique na terra dos Nheengaíbas versa sobre a importância de expressar o que se é sentido, vivido no processo de cuidado à saúde mental, em especial quando esse processo ocorre em grupo, por tanto, propõem-se como alternativa de cuidados às necessidades emocionais dos discentes do campus Soure a realização de grupos de encontro (Rogers, 2009) com foco na aprendizagem socioemocional, a qual, de acordo como Tacia et. al (2014), diz respeito a aquisição e reforço de habilidades que auxiliam a pessoa a lidar consigo mesma, com suas emoções e afetos, a relacionar-se com o outro e a executar tarefas de maneira competente e ética, visando a promoção e prevenção da saúde mental, com foco em fatores que fortaleçam aspectos saudáveis do indivíduo, tanto a nível ambiental, como o bom convívio no âmbito acadêmico e no desempenho escolar/educacional, quanto ao nível de competência pessoal, como autoestima positiva e habilidades de socialização. Deste modo realizará semestralmente grupos de encontro com os discentes do campus, tanto do período regular, quanto do intensivo, e finalizará cada semestre com uma roda de conversa aberta a toda população sobre o tema que mais emergir durante a realização dos encontros, sendo a culminância do programa a realização de um seminário de saúde mental marajoara, com parceria de profissionais da saúde mental de Soure e de Belém, além da escrita de artigos científicos a serem publicados em periódicos. Os grupos de encontro e o seminário ocorrerão dentro do espaço físico da universidade, enquanto que as rodas de conversa serão realizadas em espaços estratégicos do município de Soure, como escolas e CAPSI, para desta forma alcançar a fomentar maior dialogo entre UFPA e comunidade local.

 

- Ações Educacionais contra a Exclusão na Ilha de Marajó.

coordenador: adriano biancalana

tipo: projeto

bolsas: 2

Em toda região paraense encontramos problemas relacionados à falta de estímulo às atividades ligadas ao ensino formal. Em geral o jovem não almeja dar continuidade a seus estudos, e muito menos vislumbra a possibilidade de ingressar em instituições de ensino superior. Nesse sentido o cursinho popular da UFPA possui papel formativo e educativo. Estimulando o jovem ainda no ensino médio e o adulto que já concluiu seus estudos a algum tempo a valorizar a educação formal, como forma de formação profissional e ascensão social. Objetivo do projeto é construir nos jovens e adultos a consciência de que a educação é transformadora e que cada indivíduo e capaz de se apoderar do conhecimento para melhoria de sua realidade e do meio onde estão inseridos. Além de auxiliar no almejado ingresso no ensino superior (enem e vestibulares). o projeto deve atender ao longo do ano cerca de 100 alunos oriundos das escolas públicas do município de Soure. o corpo docente do projeto será formado por discentes voluntários regularmente matriculas da UFPA e outras instituições regionais. Participação importante na formação desses discentes. A base central de desenvolvimento do projeto é um curso preparatório para o vestibular (ENEM). Dessa forma sua estrutura é similar a cursos particulares, mas com um enfoque diferenciado. as aulas serão desenvolvidas em uma sala de aula cedida pelo campus de Soure. Além de aulas tradicionais serão promovidas atividades estimulantes e inovadoras que provoquem o interesse do aluno e auxiliem no estudo dos temas propostos. Para o desenvolvimento das atividades utilizaremos equipamento audiovisual, apresentações em Power Point, atividades práticas com o uso de equipamentos de laboratório. Com o objetivo de tornar a aula mais motivadora e interessante.

 

- O ensino de música nas escolas de soure e salvaterra: uma proposta decolonial de ensino a partir dos saberes tradicionais dos mestres de cultura da amazônia marajoara.

Coordenador: Juliano Cãssio da Silva Conceição

tipo: programa

bolsas: 2

 

O programa considera a problemática da obrigatoriedade do ensino de arte na educação básica, de acordo com a lei de diretrizes e bases da educação, e as propostas da articulação desse ensino com os conhecimentos regionais, conforme disposto na BNCC, pois, na prática, a realidade destoa do que está previsto. Dessa forma, o programa tem como objetivo analisar como está sendo desenvolvido o ensino de música nas escolas públicas de educação básica dos municípios de Soure e Salvaterra e estabelecer o diálogo entre a sociedade em geral e os mestres de cultura da região, de modo que os conhecimentos tradicionais possam ser discutidos e, dessa maneira, fazer com que o ensino também seja um canal que possibilita dar voz a esses atores muitas vezes invisibilizados em nosso meio social, mas detentores de conhecimento valioso para ser disseminado. Dentro de uma perspectiva etnomusicológica, pretende-se observar se as expressões musicais regionais, bem como as vivências musicais dos alunos são consideradas no processo de ensino de música. Trata-se de uma proposta decolonial do ensino de música. Utiliza-se no referencial teórico autores da área da etnomusicologia como Blacking (1981), Luhning; Tugny (2016), Queiroz (2004, 2020) e Geertz (1989). Como resultados, pretendemos montar grupos de pesquisa entre integrantes da escola e mestre de cultura, produzir artigos e uma dissertação de mestrado que possam conduzir a reflexão e possam subsidiar a proposição de políticas públicas voltadas para educação musical nesses municípios do Marajó.

 

 

- Toc-Toc: processamento artesanal da carne de caranguejo-uçá ucides cordatus por mulheres do município de Soure.

Coordenadora: Prof. Dr. Leandra de Paula Cardoso Pinheiro

Tipo: programa

Bolsas: 2

 

Este programa está fundamentado na melhoria da qualidade de vida de personagens importantes na sociedade em que o campus de Soure está inserido, que são as mulheres que beneficiam a carne do caranguejo-uçá, espécie mais comercializada no município. Essa prática é desenvolvida principalmente por mulheres e ainda não é registrada no órgão de inspeção oficial, isto porque a prática ainda não está de acordo com as medidas sanitárias exigidas. O processamento adequado desse alimento beneficiará as mulheres que realizam o beneficiamento e toda a sociedade consumidora. Assim, objetivamos o fornecimento de orientação técnico-científica para a adequação das práticas higiênica sanitárias no beneficiamento da carne do caranguejo, visando dar suporte ao registro junto ao órgão de inspeção oficial e a comercialização legal do produto. Em Soure, os caranguejos são comercializados em mercados e restaurantes e a carne é processada artesanalmente, o que pode causar contaminação por microrganismos presentes naturalmente no produto, nos utensílios e manipuladores. A falta de higiene durante o processamento dos alimentos é fator determinante na incidência das doenças transmitidas por alimentos (problema de saúde pública mundial e frequentemente associado a problemas na manipulação dos alimentos). Nesse programa, busca-se a garantia da produção de alimento seguro, como também a promoção de mecanismos de propagação do conhecimento sobre segurança de alimentos e boas práticas de produção. é fundamental que a UFPA invista em uma socioeconomia comprometida com o meio ambiente; com dignidade humana através da regularização do comércio caranguejeiro, através do fomento ao conhecimento e a capacitação; mas principalmente com a geração de renda e o desenvolvimento social onde ela se insere.

Fim do conteúdo da página